Fazendo um filho de vários pais

Administração, Empreendedorismo

Em primeiro lugar o nascer de uma empresa dirá como ela será quando ficar adulta.

Observando o crescimento de um ser humano, aponta-se que a personalidade é definida na infância. O futuro da empresa é traçado nas primeiras reuniões entre os sócios/colaboradores. Combinar o que será feito é importante, mas combinar o que não poderá, e o que não pode ser feito é crucial para a vitalidade da unidade inicial em torno de um grande ideal.

Criar um negócio é um ato de coragem, audácia, sorte e, acima de tudo, competência. Saber e saber fazer andam juntas. Se não se sabe fazer, busca-se quem possa executar. Reunir e liderar pessoas diferentes sob um mesmo objetivo é realizador para todo empreendedor. Alias, um empreendedor é um agente de transformação social e econômica. Empreendedor não é acomodado. Para ser empreendedor tem que ser um azucrinador!

 

Camaleão não!

Intercâmbio, Pessoal

Em primeiro lugar, penso que a maior qualidade que uma pessoa pode ter é a da adaptabilidade. Desde sempre, as espécies que sobreviveram foram as que se adaptaram as mudanças do ambiente, independentemente do autor que as causou.

Adaptar-se não é fácil, e para isso é necessário livrar a mente de crenças e pré-conceitos. Sem essa libertação, agiremos sempre olhando para nosso próprio umbigo.

Agir de acordo com nossas vontades e nossos objetivos não é contraponto de adaptação, mas sim uma maneira de superar situações adversas ao nosso costume, ou as nossas expectativas de respostas.

No mercado estressante e loucamente competitivo a adaptação é mais do que necessária: é vital. Penso que o mercado hoje está muito sangrento, na verdade demasiado competitivo. Mas isso não deve nos desanimar para buscar espaço de maneira ética e dentro dos princípios morais.

Adaptar-se não é ser como camaleão, que muda seu externo de acordo com cada situação, adaptar-se é saber absorver e principalmente aceitar uma situação distinta, e de acordo com nossos valores agir. Penso que seria incoerente agirmos sempre da mesma forma independente da situação.

Adaptação é absorção, e dentro do possível mudança.

Adaptação é agir de acordo com o momento, sem perder personalidade.

Impressão Paraguay

Intercâmbio, Política

Em primeiro lugar, tenho pena do Paraguay pois é o que é porque a Tríplice Aliança devastou o país. E depois de quase varrer o país do mapa minaram um país próspero com ideologias podres por décadas. Assim, não tinha como se levantar.

Sinto que muitos Paraguayos tem medo de mudar. Conversando com várias pessoas é visível que eles são muito “família” e que não são preparados para sair mundo afora, ou mesmo tomar atitudes para mudar sua própria realidade.

Esta resistência, ou porque o descrédito que as coisas não mudam, faz com a preocupação com o bem estar coletivo e a preocupação com o que é público e do outro seja ignorada. Assim, a força do Estado através da Lei é superada pela julgamento individual de cada cidadão.

Economicamente o país tem muitos problemas e uma volatilidade grande. O Paraguay tem muitas riquezas e é mal administrado. Possui atrativos turísticos mal explorados, e o fato de ser um país mestiço, com orgulho dos guaranis pode trazer muitos turistas.

Analisando alguns dados do Mercosul, podemos observar que o Paraguay é o País que mais recebe recursos do Bloco para projetos de desenvolvimento. Porém, há um contraste muito grande, pois assim como vemos uma magnifica sede da Confederação Sul America de Futebol, vemos uma pobreza enorme nos bairros da periferia e no comercio popular do centro.

Por fim, se o Brasil e Argentina pararem de considerar o Paraguay como colonia, e o governo de Asunción abrir seus olhos e mirar o futuro e o povo trabalhar para que a situação atual mude eles serão felizes para sempre. Mas infelizmente eu não verei, tampouco meus filhos!

Case AEAD

Administração

Em primeiro lugar, a AEAD é a Associação dos Estudantes de Administração. Com sede em Santa Maria/RS ela promove a profissão, qualifica os acadêmicos através de atividades científicas e desenvolve lideranças e empreendedores (para saber mais acessehttp://www.aeadsantamaria.org.br)
Entrei para a organização em maio de 2010, fiz carreira dentro do departamento de Gestão de Pessoas e cheguei a presidência em novembro de 2010. A partir de então pensei em fazer uma gestão que quebrasse paradigmas. Assumi uma organização desestruturada e pouco acreditada por praticamente todos os seus stakeholderes. Os processos internos eram desorganizados e nossos produtos eram precários e ruins. Os esforços foram muitos para aumentar o número de associados e empresas parceiras, melhorar a estrutura física, a estrutura gerencial, os processos, a gestão do conhecimento e principamente a auto-estima e motivação dos membros. Com isso, colocamos em nossas mentes que precisamos fazer acontecer, não apenas fingir. Com um foco bem definido e com um caminho traçado, os eventos científicos e todo o trabalho da organização começou a ganhar expressão e gerar ótimos frutos, principalmente com o novo site.
Oh, e vocês não tem idéia do entrosamento, da união e dos resultados que juntos conseguimos. E tenho que ressaltar que o esforço de toda a galera foi execepcional!
E minha experiência de liderar 15 pessoas no total foi um dos maiores aprendizados que eu tive. Todos cresceram. As duas coisas que mais aprendemos foi:
1 – Como conquistar alguém em 30 segundos;
2 – Como obter sucesso no trabalho através de relacionamentos.
Teve muitas coisas que aprendemos, entre elas, o fato de que se quizermos algo basta sonhar e fazer acontecer, sempre comunicando a todos o que está acontecendo. Uma sacada que tivemos foi organizar os membros em uma Estrutura Horizontal (Estrutura H). O conceito é simples, em que todos os membros estão juntos, praticamente no mesmo nível. Porém, há os Diretores que são responsáveis pelas áreas, e assim, com equipes diferentes gerenciam os projetos de sua área. E por fim, há o Presidente e os Conselheiros que trabalhavam operacionalmente, mas os esforços eram mais estratégicos.
Hoje a organização goza de um excelente prestígio externo e um grande orgulho interno. Como Conselheiro hoje, fico feliz em ter ajudado a fazer história da AEAD.
Que tal termos uma AEAD em todo o Rio Grande do Sul, em todo o Brasil? Rá, ia ser show!