Carreira Sapiens: Botafogo no G4

Administração, carreira, RH

A quarentena tem apenas uma coisa que me agrada: posso passar muito mais tempo lendo do que normalmente faria. Nesses dias, resolvi retomar Sapiens, do Yuval Noah Harari. Confesso que dá primeira vez que iniciei a leitura, fiz de forma displicente. Agora, levei muito mais tempo que o normal em cada página, tentando não deixar passar nenhum detalhe da história que o autor nos apresenta em minúcias e de forma singular. Logo nas primeiras 50 páginas algo me chamou muito a atenção, logo explicarei.
É engraçado como o isolamento nos coloca na ânsia de voltar ao ritmo normal, me tornei o tipo de pessoa que não quer ficar mais de uma semana longe de suas atribuições. Falando um pouco sobre mim, e estendendo também ao Junior, depois de um ano em Porto Alegre, já não somos os mesmo que chegaram. A cada dia no trabalho é um desafio novo, passou o receio de não se adaptar à função, e agora somos tomados por um sentimento quase que paternal em relação a nossas carteiras (carteiras são o grupo de clientes que estão sob nossa responsabilidade). Pois bem, ainda no final do ano passado fomos pré-aprovados para o próximo cargo de gerência dentro do nosso plano de carreira. Em uma perspectiva de promoção e mudança nos próximos anos, é natural nutrir ansiedade pelo que há por vir, diria até que é instintivo. Querendo o quanto antes passar à próxima etapa.
Eis que volto a falar do livro: logo no início, o autor nos mostra que o Homo Sapiens a partir do domínio do fogo passou do meio da pirâmide alimentar para a supremacia do topo (é como se do nada o Botafogo liderasse o campeonato brasileiro). Até ontem o homem era um predador mediano, não tinha condições de disputar as melhores presas nem de enfrentar os grandes predadores. Em pouco tempo, se viu no topo. Era o líder, mas sem preparo para a função. A evolução preparou todos os grandes predadores para evoluir na pirâmide de forma gradativa e equilibrada, desde os leões até os tubarões, o ecossistema se adaptou para que seus líderes não os desequilibrassem. O Homem foi a única exceção. A partir de então, acredita-se que a falta de confiança e preparação para exercer seu papel na natureza desenvolveu no sapiens um sentimento intrínseco de insegurança, e como qualquer animal, quando se sente ameaçado, ataca. O perene sentimento de inferioridade frente ao mundo que o cerca, tornou-o cruel e destrutivo com a natureza, revelando-se o maior genocida e explorador do planeta. Agora já é parte do nosso instinto, chegar ao lugar mais alto de forma precoce teve suas consequências.
Como Yuval nos mostra, desde os primórdios é natural querer acelerar processos e pular etapas para chegar ao topo, em muitas vezes sem o preparo necessário para isso. Tais circunstância me fazem pensar e rever minha ânsia e ambição por evoluir na carreira. Viver o presente e aprender com ele é fundamental. O preço de pular etapas pode ser muito mais caro que o preço da evolução natural. Por mais que desejemos o topo pirâmide, é importante contribuir e aprender com o presente. Uma etapa por vez. Etapa por etapa.

Com a colaboração de Nathan Santos da Costa

Faça Pós!

Geral

Em primeiro lugar busque conhecimento, busque qualificar-se, busque titulação.

Alguém irá questionar: mas diploma não resolve nada! De fato, ter um papel de titulação de pouco adianta se o conhecimento dele não for utilizado. E mais, se o conhecimento o diploma não estiver na tua cabeça, o dinheiro foi pelo ralo.

A busca insaciável por conhecimento enalte o homem e alimenta a alma. A maturidade se conquista a passos largos com leituras, cursos e viagens. Realizando cursos EAD´s e comprando livros são métodos econômicos e práticos para subir na vida. Viagens, quando tua estabilidade financeira permitir: aproveite.

Já realizei uma pós na Anhanguera e atualmente estou cursando outra na Uninter, e ambas EAD. E garanto: isso tem me ajudado a crescer como pessoa e profissionalmente. A pós da Uninter estou pagando R$ 280,00 mensais, um investimento alto para meu salário hoje, mas vislumbro no curto prazo ascensão dentro da empresa onde trabalho. E esse investimento já poderá ser diluído.

Mexa o teu dedo e clique abaixo e consulte, faça orçamentos e quebre a inércia.

Anhanguera

Uninter

Faça coaching – busque ajuda.

Pessoal, RH

Em primeiro lugar quando há possibilidade de melhorar, não pense duas vezes: melhore.

Só que muitas vezes, melhorar sozinho não é fácil. Por isso, não hesite, se precisar, busque ajudar.

Peça ajuda a seus pais, amigos, professores, cônjuges, peça ajuda a quem você sabe que será sincero e buscará o seu bem. Esteja aberto a buscar opiniões que sejam úteis, e não busque aquilo que quer ouvir. Do contrário, apenas pense sozinho e faça.

Qual emprego aceitar, qual curso estudar, qual cidade morar, onde morar, com quem casar, qual investimento fazer, onde reduzir, onde aumentar, onde usar seu ócio, para onde ir! São colocações que todos passam em algum momento da vida. Ninguém sabe tudo e muita gente tem vergonha de pedir ajudar.

Para quem sabe, o coaching é uma ferramente poderosa. Por isso, não hesite e procurar um profissional preparado para lhe ajudar no que precisar. Uma rápida busca na internet lhe fornecerá suporte sobre como funciona este processo.

A ————————————————————————————————> B

Coaching, te leva de um ponto ao outro. Ou melhorar o ponto em que já está.

A

Não hesite, em um momento de incertezas, uma boa ajuda é bem vinda. Mas não esqueça, boa ajuda.

Empreender é fugir da educação regular

Administração, Empreendedorismo, Ensino de Administração, Sociedade

Em primeiro lugar o empreendedorismo não é ensinado nas carteiras escolares. O histórico dos maiores empreendedores da história é: largou a escola, trancou a faculdade, etc… Mas isso não é uma verdade absoluta! Há muitos empreendedores que seguiram a carreira formal da linha do tempo do ensino. Os que não concluíram as formalidades são destaque: eles são a diferença!

E é esta diferença que chama a atenção. Esses “anormais” fugiram do padrão, e são estes que normalmente galgam os maiores destaques, haja vista que buscam na vida a solução natural e real dos seus problemas. Buscam na vida as oportunidades e agarram elas sem medo. Pois, quem está na selva da vida, cada chance é “A” chance.

Além disso, percebo que quem foge da carreira regular segue uma vida mais feliz. Nunca hoje em nossa sociedade se falou tanto em felicidade. A tal ponto de que há pessoas largando grandes centros e grandes empregos para uma vida profissional mediana. Conheço casos de pessoas e amigos que largam tudo para trabalhar em uma empresa onde todos o conhecem pelo nome. Mais humana torna-se a vida profissional quando se interage mais com as pessoas. Isso é obvio. Nem sempre todos veem assim.

Fugir da educação regular, do trabalho regular, da vida regular, é o mesmo que buscar a liberdade voando pelos céus. Se o empreendedorismo fosse entendido como um modo de vida, certamente, as disciplinas nos cursos secundários e superior seriam mais práticas.

O sistema regular de ensino poderia:

Fazer os alunos criaram efetivamente uma empresa; construir um plano de negócio; operar com a empresa durante período teste; estudar casos de sucesso; visitar empresas; conversar com pessoas de sucesso; aprofundar-se em leituras teóricas para compreensão do universo a sua volta.

Talvez, um pouco mais de atitude poderia evitar que grandes figurões fugissem do ensino regular em busca de sua verdade liberdade.

Como parar em um emprego?

Administração, Empreendedorismo, RH

Em primeiro lugar atualmente a permanência em um emprego por um longo tempo já não é o objetivo da maioria dos trabalhadores. Talvez os “Tempos Modernos” sejam outros.

Hoje não mais mal entendimento de quem permanece 12 ou 24 meses em um trabalho. Há quem diga que a permanência por 6 meses já o suficiente para uma ampla experiência e pode trazer a empresa motivação: vassoura nova sempre vare melhor.

Para o profissional que pouco fica em um trabalho deve transparecer ao futuro empregador: o profissional tem este perfil, o setor do ramo de atuação do profissional permitia esta mobilidade sem prejuízos, e o mercado de trabalho compreendia esta postura do trabalhador. Aqui cabe um cuidado para que o empregado não fique pulando de galho em galho, pois isso pode sujar a carteira dele! Isso mesmo, deixará uma má impressão.

Por isso, a mudança em curto período de tempo deve ser muito bem estruturada pelo profissional. Ter um bom currículo, boas experiências e boa formação são essenciais para o início de uma trajetória profissional em curto espaço de tempo em uma empresa. Sinal disso tudo, até no Japão os empregos vitalícios estão fora de moda. Na real, percebeu-se que a fidelidade a empresa por longo tempo pode gerar vários vícios ao empregado. O orgulho do empregado em trabalhar por uma vida de doação a sua empresa, hoje se resume em prédios para empregados vitalícios fora do mercado. Algumas empresas do ramo da tecnologia criaram estes espaços para acomodar empregados improdutivos para que eles possam aproveitar o tempo com algo que lhe tem interesse, e que talvez possa ser aproveitado pelas empresas.

Se até na terra do sol nascente as coisas mudam, no Brasil o entendimento de que rápidas experiências podem ser boas para empresa – pois recebe um trabalhador que vivenciou muitas empresas do mesmo setor ou até mesmo de diversos setores. Para a empresa, isso trás uma visão de mundo maior e mais aprofundada. Muitas vezes, as diversas experiências deste colaborador podem solucionar problemas que funcionários acomodados não resolviam. Ao empregado, isso dá uma excelente experiência de vida.

O futuro chegou e hoje os “Tempos Modernos” são outros!

Mais social, menos stress

Geral

Em primeiro lugar há a necessidade das empresas modernas investirem na vida social dos seus colaboradores.

A administração por objetivos podem estar reduzindo aponto de devastar a vida fora do ambiente de trabalho. Alguns autores defendem teses de que isso está ocasionando aumento de problemas de saúdes. Ônus as empresas, planos de saúde, SUS… Quem está pagando esta conta? O empregado.

A redução da jornada de trabalho sem redução salarial só poderá ser feita se a produtividade do brasileiro aumentar. Aumentar produtividade sem aumentar metas e objetivos é difícil? Para empresas e empregados clássicos é sim.

O fato é que a jornada de trabalho regular e engessada poderia ser flexibilizada por empresas para adequar aos anseios de seus empregados. Hoje, vejo como solução de curto prazo para deixar os empregados mais disponíveis para conviver em sociedade.

Como Peter Drucker já disse, hoje a vida é muito corporativa. Ou seja, vive-se muito dentro das empresas. A oxigenação com o mundo exterior pode inclusive fazer vem ao colaborador viver mais a empresa! Mas não adianta a empresa criar momentos de lazer dentro da própria empresa. Apesar de ser boa ideia, talvez não consiga manter o colaborador conectado a sociedade.

Mais social e menos stress, e não se irrite em ler isso.

Fazendo um filho de vários pais

Administração, Empreendedorismo

Em primeiro lugar o nascer de uma empresa dirá como ela será quando ficar adulta.

Observando o crescimento de um ser humano, aponta-se que a personalidade é definida na infância. O futuro da empresa é traçado nas primeiras reuniões entre os sócios/colaboradores. Combinar o que será feito é importante, mas combinar o que não poderá, e o que não pode ser feito é crucial para a vitalidade da unidade inicial em torno de um grande ideal.

Criar um negócio é um ato de coragem, audácia, sorte e, acima de tudo, competência. Saber e saber fazer andam juntas. Se não se sabe fazer, busca-se quem possa executar. Reunir e liderar pessoas diferentes sob um mesmo objetivo é realizador para todo empreendedor. Alias, um empreendedor é um agente de transformação social e econômica. Empreendedor não é acomodado. Para ser empreendedor tem que ser um azucrinador!