As pessoas não leem e-mail!!!

Administração

Em primeiro lugar hoje viver fora do mundo virtual não tradicional da era clássica (como celulares inteligentes, redes sociais, e-mail, etc) é quase como não existir. Sério, viver sem um endereço virtual – qualquer que seja, leva o ser humano a um nível de isolamento muito grande. É difícil imaginar uma vida sem as benesses do mundo virtual. Alguns vivem apenas ou dentro deste mundo virtual. Vício ou imaturidade, a vida apenas em um mundo virtual começa a ser doença atualmente.

Mas este post não será sobre a doença.

Se está no mundo virtual, pelo menos tenha um mínimo de conhecimento das funções mais básicas deste mundo. Saiba como transitar pelos caminhos deste mundo, mesmo que seja com um mapa. E melhor, saiba utilizar de sua segunda vida (a virtual) em proveito próprio e social. Não tenha presença no mundo virtual se não é para usuá-la. Fazer asneiras neste mundo pode ser mortal também. Então, reflita como está seu perfil no Facebook, Twitter, LinkedIn, Instagram, etc. Pense se não faz uma exposição demasiada, se não escreve demais, ou de menos. Se é polêmico ou se é muro – sempre no meio termo. Reflita sobre suas fotos, gostos e etc. Muitas vezes, guarde seus pensamentos e ações somente para seu íntimo. E se desejar utilizar ferramentas funcionais e de trabalho, utilize-as.

Gente, leiam e-mail!

Me deparo cada dia mais com pessoas que tem e-mail mas não o utilizam. Pessoas que olham o assunto e apagam. Pessoas que analisam o e-mail quando abrem, e percebem muito texto e o descartam. Pessoas, que muitas vezes pela emitente nem abre e pensa: pode ser problema. Por todas as empresas que passei, tento educar os colaboradores a abrirem um e-mail, lerem e me responderem, quando a mensagem é geral:

  • Ok
  • Entendido
  • Vamos fazer

Isso é como comunicação de guerra. Se tu manda uma carta pra alguém na guerra e não recebe retorno, qual é o sentimento? Por isso, há importância de uma comunicação escrita eficiente. Não deixe o emissor pensar que sua mensagem ficou no vácuo. Não deixe a pessoa que disparou o e-mail pensando que sua mensagem não teve efeito nenhum. Não deixe que a comunicação seja de uma via apenas. E mais, há gestores que não gostam de ver sua caixa de mensagem com excessos de mensagem de um subordinado, porém, quem nunca aparece por lá também é mal lembrado.

Pense nisso, use as ferramentas do mundo virtual com sabedoria, e, leia e-mail. E antes de ir embora, responda a enquete abaixo. É rápido.

Sair de trás da mesa

Administração, Estratégia

Em primeiro lugar muitos empresários e administradores devem sair de suas mesas e ir atender os clientes, ou ir para as plantas produtivas de suas fábricas. E ainda, podem prestar serviço junto com seus empregados.

Parece muito simples esta minha ideia, mas acredite se quiser: isso é ideia visionária de um revolucionário!

Não sei se é pelo calor excessivo, ou se é por aceitação de um padrão medíocre em suas empresas, muitos administradores se enclausuram e se protegem de trás da mesa do seu escritório. Iniciamos o ano de 2015, e o pessimismo tomou conta do Brasil. A palavra crise está sendo muito usada pelos empresários, a palavra incerteza pelos empregados e a palavra calma pelo governo. E com todo pânico se instalando, muitos empresários ainda ficam entrincheirados.

No momento de avançar, recuar para se defender não é uma boa alternativa. Isso também é obvio, mas na prática….

Quando arrisca-se a avançar, muitas vezes o empresário se depara com uma situação diferente do que imaginava: pode encontrar uma empresa bagunçada, ou uma empresa que roda muito bem. E pode encontrar clientes satisfeitos, e clientes que se descobrirem quem é o dono, o apedrejam! Se a situação encontrada é caótica: está na hora de tirar os sapatos e colocar o uniforme da empresa e dar a cara a tapa. Sentindo na prática como anda a empresa, o gestor pode tomar as melhores decisões.

Mentira? Faça um teste.

Enrolação

RH

Em primeiro lugar, muitos problemas de comunicação nas empresas estão na não comunicação de assuntos de trabalho. Quando as pessoas param, ou pouco se comunicam, sobre assuntos relacionados ao ambiente de trabalho sobrasse margem para comunicação sem utilidade. A comunicação sem utilidade gera desinformação. Muitas empresas possuem este problema e não sabem como atacá-lo. Não há formula nem receita para isso. Muitos autores e professores orientam muito bem sobre como lidar com isso. Cada empresa tem suas peculiaridades, e muitas vezes a solução é mais simples do que parece. A questão é cultural – muitas vezes. Para isso, há a necessidade de uma liderança forte e de um RH atuante. Um trabalho que deve ser feito com cautela e muita determinação. E a primeira coisa a ser feita, penso assim, é o próprio RH começar a instigar conversas de trabalho. Eliminar a fofoca não é fácil.

Reuniões produtivas, reuniões objetivas, reuniões que tem continuidade das decisões ali tomadas, comunicação institucional eficaz, mini reuniões ocorrendo de modo organizado. Acredito que mini reuniões organizadas são conversar com pauta definida, pauta esta que é acordada no início no bate papo. Há uma empresa em que há duas salas de reunião, uma de reunião, e outra de bate papo informal. E por incrível que pareça as micro reuniões que ali eram feitas resolviam muitos problemas. O motivo era reduzir as reuniões improdutivas e fazer com houve a redução de problemas de comunicação. Porém, houve estímulo para tal. Há a necessidade de empenho pra tal. Há necessidade de força de vontade para melhorar a comunicação interna. E como uma construção, deve-se colocar um tijolo por vez, e construir-se uma parede por vez. O RH pode acompanhar reuniões formais iniciais, e instigar as micro reuniões.

É necessário que as conversas improdutivas dos corredores tornem-se produtivas dentro das salas.

Se comunica

RH

Em primeiro lugar, muitos problemas de comunicação nas empresas estão na não comunicação de assuntos de trabalho. Quando as pessoas param, ou pouco se comunicam, sobre assuntos relacionados ao ambiente de trabalho sobrasse margem para comunicação sem utilidade. A comunicação sem utilidade gera desinformação. Muitas empresas possuem este problema e não sabem como atacá-lo. Não há formula nem receita para isso. Muitos autores e professores orientam muito bem sobre como lidar com isso. Cada empresa tem suas peculiaridades, e muitas vezes a solução é mais simples do que parece. A questão é cultural – muitas vezes. Para isso, há a necessidade de uma liderança forte e de um RH atuante. Um trabalho que deve ser feito com cautela e muita determinação. E a primeira coisa a ser feita, penso assim, é o próprio RH começar a instigar conversas de trabalho. Eliminar a fofoca não é fácil. Reuniões produtivas, reuniões objetivas, reuniões que tem continuidade das decisões ali tomadas, comunicação institucional eficaz, mini reuniões ocorrendo de modo organizado. Acredito que mini reuniões organizadas são conversar com pauta definida, pauta esta que é acordada no início no bate papo. Há uma empresa em que há duas salas de reunião, uma de reunião, e outra de bate papo informal. E por incrível que pareça as micro reuniões que ali eram feitas resolviam muitos problemas. O motivo era reduzir as reuniões improdutivas e fazer com houve a redução de problemas de comunicação. Porém, houve estímulo para tal. Há a necessidade de empenho pra tal. Há necessidade de força de vontade para melhorar a comunicação interna. E como uma construção, deve-se colocar um tijolo por vez, e construir-se uma parede por vez. O RH pode acompanhar reuniões formais iniciais, e instigar as micro reuniões.