Não duro no emprego, e agora?

Empreendedorismo, RH

Em primeiro lugar há muitas pessoas que simplesmente não duram em um emprego. O motivo para isso é enorme. Porém, muitos tentam compreender o que fazer para permanecer por mais tempo em seu emprego.

O mercado é uma selva. Sobrevive os mais fortes ou os mais espertos.

Se tudo fosse o paraíso, não haveria escolas profissionalizantes, MBAs, etc. Não haveria concursos, provas e notas. E também não haveria prêmios, sorteios, bonificações. Se não houvesse um mercado, se não houvesse nada que pudesse estimular a criatividade e a motivação de melhorar e mudar, seríamos sempre os mesmo humanamos, vivendo sempre como os mesmos seres humanos.

Por isso, há pessoas com um complexo de sempre estarem inferiorizadas. Pessoas que acham defeito em tudo. Pessoas que não se qualificam e pessoas que não mudam. Muitas ainda não tem condições de compreender que não há lugar perfeito. Ter uma formação, uma qualificação, uma especialização não são hoje detalhe, são quase necessidades de sobrevivência. Mesmo que isso não seja nas instituições formais de ensino. Por isso, há um grande número de pessoas que literalmente não ficam em emprego algum.

Selecionar a empresa antes de entrar nela já é um começo para permanecer mais tempo em um trabalho. Saber que tudo pode melhorar, dentro ou fora da empresa  é um segundo passo. Saber a hora de dar tchau ao trabalho e sempre saber buscar a empregabilidade fazem parte de uma trajetória vencedora.

Nem tudo são rosas, não fique cheirando-as no seu paraíso.

Empreender é fugir da educação regular

Administração, Empreendedorismo, Ensino de Administração, Sociedade

Em primeiro lugar o empreendedorismo não é ensinado nas carteiras escolares. O histórico dos maiores empreendedores da história é: largou a escola, trancou a faculdade, etc… Mas isso não é uma verdade absoluta! Há muitos empreendedores que seguiram a carreira formal da linha do tempo do ensino. Os que não concluíram as formalidades são destaque: eles são a diferença!

E é esta diferença que chama a atenção. Esses “anormais” fugiram do padrão, e são estes que normalmente galgam os maiores destaques, haja vista que buscam na vida a solução natural e real dos seus problemas. Buscam na vida as oportunidades e agarram elas sem medo. Pois, quem está na selva da vida, cada chance é “A” chance.

Além disso, percebo que quem foge da carreira regular segue uma vida mais feliz. Nunca hoje em nossa sociedade se falou tanto em felicidade. A tal ponto de que há pessoas largando grandes centros e grandes empregos para uma vida profissional mediana. Conheço casos de pessoas e amigos que largam tudo para trabalhar em uma empresa onde todos o conhecem pelo nome. Mais humana torna-se a vida profissional quando se interage mais com as pessoas. Isso é obvio. Nem sempre todos veem assim.

Fugir da educação regular, do trabalho regular, da vida regular, é o mesmo que buscar a liberdade voando pelos céus. Se o empreendedorismo fosse entendido como um modo de vida, certamente, as disciplinas nos cursos secundários e superior seriam mais práticas.

O sistema regular de ensino poderia:

Fazer os alunos criaram efetivamente uma empresa; construir um plano de negócio; operar com a empresa durante período teste; estudar casos de sucesso; visitar empresas; conversar com pessoas de sucesso; aprofundar-se em leituras teóricas para compreensão do universo a sua volta.

Talvez, um pouco mais de atitude poderia evitar que grandes figurões fugissem do ensino regular em busca de sua verdade liberdade.

Administrar é …

Administração

Em primeiro lugar um conceito que tenho para definir o que faz um administrador, é que administrar é conectar pessoas e processos para chegar a resultados. E Administração é a ciência de fazer arte para fazer.

Administrar é lidar, gerir, liderar, e estar junto de pessoas. Mesmo não sendo administrador tudo passa por pessoas. Uma organização pode ter mais ou menos necessidade do envolvimento de pessoas em seus processos de trabalho, mas sempre há pessoas. Máquinas e equipamentos sempre existem em uma organização, de um computador pessoal a uma linha de montagem de uma fábrica de automóveis, sempre haverá processos que envolvam máquinas, equipamentos, utensílios.

Finanças, marketing, RH, logística, TI, todos são áreas importantes dentro de uma organização. Há quem diga que uma é mais importante que a outra, mas não acredito nisso. Por isso, penso que administrar é um pouco mais amplo do amplo conceito de: Planejar, Organizar, Dirigir e Controlar. “Conectar pessoas e processos para chegar a resultados” é algo mais palpável do que é a função de administrar.

Há coisas óbvias que se acredita que não precisam ser discutidas ou pensadas. E sendo assim, há alunos de administração que se formam e não sabem dar um conceito ou não sabem dizer o que faz um administrador. Isso é o colapso do nosso sistema de ensino das ciências administrativas.