Mente tranquila vende melhor.

carreira, Geral, Pessoal

Em primeiro lugar, em 2019 investi meu tempo e dinheiro para qualificação profissional. Conclui 3 MBA´s que estavam engavetados e realizei uma certificação profissional. Em 2020 será o ano que me dedicarei para aprender inglês (com ajuda do Mairo Vergara) e elevar meu nível de condicionamento físico. Para isto, estou focado em treinar e me alimentar adequadamente. Para treinar utilizo treinos compactos, constantes, e um acompanhamento com nutricionista. 

Além disso, acordar as 5 horas da manhã para exercícios, desenvolvimento e oração tem melhorado meu desempenho ao longo do dia. A estratégia do Milagre da Manhã de Hal Erold de fato tem muito sentido e gera resultados maravilhosos. Desde que, tu aproveites este tempo da manhã para algo produtivo. Afinal, desenvolver uma mente tranquila, gera resultados melhores: Mente tranquila vende melhor.

Este mantra nunca foi tão presente como agora. Estou vivendo e podendo comprar que isto é real. Pense nisto: Mente tranquila vende melhor. Mantenha uma vida equilibrada em todos os aspectos. Zele pela saúde, família, bem-estar social, aproveitar as coisas da vida e as pessoas que tu gostas. Com certeza este equilíbrio fará fluir bons pensamentos e energias positivas. E, quando o ciclo virtuoso se instala o desenvolvimento é exponencial.

E os resultados das tuas vendas (entenda vendas aqui como tudo aquilo que é gerado pelo teu trabalho) serão, com certeza, reconhecidos e sustentáveis ao longe do tempo. Teus colegas de trabalho irão perceber ar de trabalho e resultados, teus clientes não se sentirão pressionados, teu chefe te cobrará menos, teu líder te apoiará mais e a empresa, provavelmente, te pagará mais. 

5 am

carreira, Pessoal

Em primeiro lugar, resido atualmente em Porto Alegre. A vida está muito corrida e eletrizante. Recentemente concluí meus objetivos de pós graduação. Terminei 3 pós que estavam travadas. Conquistei mais uma certificação bancária. E, emagreci. Foram grandes avanços para uma mudança do interior para Capital.

A leitura segue me acompanhando. E recentemente li O Milagre da Manhã de Hal Elrod. Meus pais sempre me falaram: Deus ajuda quem cedo madruga. Sempre gostei de acordar cedo e resolver as coisas. Nunca tive dificuldade de acordar cedo.

Após ler este livro tomei a iniciativa de acordar as 5 da manhã para avançar em temas importantes e resolver concluir o meu inglês (iniciar novamente). E, a noite melhorar meu condicionamento físico. Planos para 2020.

E, falando em 2020, quais são os teus planos?

Quando o teu melhor não dá em nada, o que fazer?

carreira, Pessoal, RH

Em primeiro lugar há quanto tempo este pensamento – “faço meu melhor para nada” – está no teu radar mental?

Se está a há mais de 3 anos é um problema. 3 anos é um período de maturação. Se este pensamento ronda há mais de 3 anos há um grande problema na tua carreira.

Os pensamentos abaixo são muito comuns na mente de quem está incomodado:

  • Produzo muito mais do que ganho;
  • Ninguém observa meu trabalho, tampouco é valorizado;
  • O meu trabalho é criticado por todo mundo;
  • Me deparo muitas vezes com tarefas que não tenho conhecimento para fazer.

Saber quando há necessidade de mudar, evoluir e sair do status quo atual é de suma importância para busca dos sonhos. E buscar os sonhos é experimentar o teu melhor.

Buscar teus sonhos é elevar teu conhecimento, utilizar toda a tua bagagem e experimentar os teus limites. O prazer está nos limites. O melhor evidencia-se no limite e na sua superação. E a sensação de que o teu melhor não dá em nada – ou não mais do que um mero tapa nas costas, frusta.

Portante, vale a pena realizar sessões de coaching e buscar qualificação. Quando o cavalo encilhado passar, não se pode perder a oportunidade.

Sugestão: livros para devorar

Administração, carreira, Pessoal

Em primeiro lugar, tenho hábito de ler sempre. 10 páginas por dia é o mínimo. É pouco, mas mesmo assim, se seguir nesse ritmo, serão 3650 paginas ano. E isso é algo em torno de 10 livros no ano. A média do brasileiro são de pouco mais de 2 livros por ano, segundo uma pesquisa de 2018.

Portanto, separei abaixo alguns livros que li este ano e vale a pena investir tempo e dinheiro na compra:

  • Conversas com gestores de ações brasileiros. Luciana Seabra. Empirucus Book.

Este livro abre a mente sobre o mercado de ações no Brasil. Ouvir de 18 gestores de Fundos independentes suas estratégicas, é mergulhar no mundo dos altos negócios e compreender como pequenos movimentos administrativos, refletem no mundo virtual da bolsa. Ou, até mesmo compreender o porque que nossos juros são tão elevados e porque a bolsa ainda é pequena no Brasil.

  • Scrum. A arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo. Jeff Sutherland e JJ Sutherland. Sextante.

O Scrum é uma verdadeira ferramenta de trabalho. Confesso, que dos últimos anos, fazia horas que não lia algo tão prático e útil. Vale visualizar como alcançar altos resultados com tão poucos recursos. A aplicabilidade é transformadora. É possível aplicar em praticamente em qualquer negócio: Todos devem entregar resultado para alguém.

O Sim é atingível, basta cumprir algumas regrinhas básicas. Regras estas que Roger Fischer e Cia elucidam muito bem no livro. Separar pessoas do problema, e encontrar a Batna das negociações são os grandes pulos do gato. E, não negociar posições. Estar entrincheirado só leva a morte dos dois lados.

E para fechar esta lista, o livro que mostra como é possível vender qualquer coisa a qualquer pessoa. Basta: 1. Confiança na empresa; 2. No vendedor; 3. No produto. Simples não é? Leia e confira!

No nome dos livros há um link para a compra. Boa leitura.

LinkedIn na prática

Administração, Pessoal, RH

Em primeiro lugar sempre disse que contatos são tudo e relacionamento são o sucesso. E com isso, é importante sempre manter um bom relacionamento com todas as pessoas que estão a sua volta.

Muitas vezes, a falta de atenção com faxineiras, atendentes da copa, traduz muito sobre as pessoas que ignoram estas funções essenciais. Até mesmo o engraxate que fica na porta do trabalho: ele conhece todo mundo, e muitas vezes ninguém o vê. E pode ser um comentário despretensioso de alguém que tu não espera que pode te abrir portas.

Essa áurea de bons comentários, de boas imagens e boas impressões tu deves construir dia após dia. Com cada pessoa que tu te relaciona.

Investir em ferramentas de relacionamento é sempre muito importante. A tecnologia deve estar ao nosso lado. Mas, o essencial não deve ser negligenciado. Achar que não fará diferença coisas simples é um grande erro. Não caia nesta armadilha.

Bom dia, tchau, até amanhã, bom descanso, com licença, por favor, OBRIGADO, olhar nos olhos, apertar a mão, ainda existem! E é aí que começa a criar sua áurea positiva.

Certa vez, em Santa Maria, no final da faculdade, passei pela triagem de currículos e fui chamado para uma entrevista de emprego (aquele que seria meu primeiro emprego com carteira assinada). Era uma empresa de logística. Marcado para as 9 horas, fui convidado para uma entrevista. O local era perto da minha casa e fui a pé, cheguei 10 minutos antes do marcado.

As 9:30 h aproximadamente, chegou 3 pessoas no local da entrevista e entraram em outra sala. A psicóloga e seus assistentes passaram por todos sem dar bom dia. Após alguns minutos, um assistente informa que iriam começar com as dinâmicas do cargo do financeiro e após o cargo do RH.

Após ouvir isso, selecionei a empresa (que não tinha nem site na época). Levantei e fui embora. Os eventos que ocorreram na minha depois acredito que foram melhores.

Portanto, te esperta! Seja simples, sem frescuras, humilde. Seja alegre, cordial e comunicativo. Com certeza, alguém estará te vendo.

Sobre amizades e milhões.

Geral, Pessoal, Sociedade

Há sete anos sai de casa, fui fazer faculdade em outra cidade. Depois minha carreira me levou pra mais distante. Vivendo de cidade em cidade, descobri que amigos se tornam nossa segunda família.

Hoje o Junior é isso, é família.  Apesar de sermos de cidades próximas, nos conhecemos depois dos 25 anos. Ambos vivemos em muitos lugares, acumulamos experiências, e hoje conversamos muito sobre elas.

O Junior é um livro aberto, sempre de bom humor e solícito. Tem carisma, energia. É comunicativo, disposto a conhecer o mundo.

Sou o oposto, resido em pensamentos, tô sempre distante. Apesar de não ser, pareço mal humorado. Sério e impaciente. Lógico e estrategista. Procuro entender o mundo.

Temos opiniões distintas sobre futebol, política e religião. As diferenças tornam a amizade e a convivência enriquecedora. Divergimos com respeito, argumentamos com embasamento. Conversamos desde amenidades do cotidiano, até reflexões profundas.

Esses dias, jantando no boteco da esquina, enquanto esperávamos o jantar ser servido, assistíamos ao Messi tentar fazer milagre com a fraca seleção da Argentina na Copa América, e a pauta era o que faríamos se oportunamente lográssemos umas dezenas de milhões na loteria.

O Junior pretendia investir nos negócios da família, voltar à cidade natal, ajudar financeiramente parentes e amigos. Já estávamos na rua, retornando ao prédio que somos vizinhos, quando já era minha vez de discorrer sobre meus milhões hipotéticos.

Verbalizava meus pretensiosos planos milionários com entusiamos, de repente, vimos um rapaz, parecia voltar do trabalho, mochila às costas, deveria ter nossa idade. Nesse instante, ele saca uma guia de deficiente visual e começa a tocar o solo enquanto troca de calçada.

Estamos no centro de Porto Alegre, são 23h, mas não há carros ou outras pessoas na rua. Somos só nós três, e o eco de seu instrumento a cada toque. Ora na esquerda, ora na direita, verificando os obstáculos do percurso. Agora estamos na frente do prédio, e não consigo tirar meus olhos do rapaz. Meus pensamentos diante do contexto me induziam a uma conclusão. O Junior me chamava longe, já no prédio: “Booora, Nathan”. Continuei o espectador da cena. Até o som ficar distante e o protagonista desaparecer na escuridão da histórica e peculiar Rua do Arvoredo.

Consegui entrar após um tempo, olhei pro amigo, concluí por nós, constrangido, quase um sussurro: “ambos já somos milionários, Junior. Basta perguntar àquele rapaz”.

Por Nathan Costa

Pessoas conectadas? Alienadas…

Administração, Pessoal, Sociedade, tecnologia

Em primeiro lugar de tanto que pensei neste post o telefone do cara que estava na esteira da academia que frequento caiu durante uma chamada de vídeo.

Frequento uma academia que foi fundada em 1965, dois andares, pacata, as mesmas pessoas sempre, as mesmas manias, mas bem limpa e organizada. Mas há sempre uma ferrugem a tua espreita, e serve para permanecer sempre alerta.

Mesmo neste clima de ginásio de 1965 o wi-fi está congestionado. Sempre vou na academia desconectado e nem levo telefone. E com isso observo muito. Ontem, no segundo piso, havia 5 pessoas no recinte. Duas na esteira e uma na bicicleta e outra na barra. E, eu na esteira. Todos conectados, menos eu. Todos faziam um pouco de exercício e olhavam no celular. Inclusive de um de corredor na esteira fazer uma chamada de vídeo.

As tecnologias vieram para integrar nossa vida ao mundo um virtual e digital que existe em paralelo. Hoje as wearable não são mais tendências, já podem ser compradas no varejo.

Tudo é lindo, mas as pessoas estão ficando alienadas.

As pessoas estão vivendo o longe no agora. E o perto está invisível. O momento não é vivido, não é aproveitado em sua plenitude. A foto vale mais. É melhor parecer ser do que ser. Quantas pessoas tiram mil fotos, fazem mil poses e ao final: Estou gordo, não me gostei. As coisas não são feitas mais em sua plenitude. Correr é com a mente no celular. Ir ao cinema é um olho na telona e outro na telinha. Descansar é estar com a cabeça enfiada nas redes sociais.

Eu não sou um alienado. Mas também não sou um excluído. Meço a dose de telefone e vida real. Foco em ler livros, jornais, atividades físicas, lazer e pessoas, com o tempo focado em cada atividade. Procure engrandecer a mente, deixar o seu cérebro vivo. Não vire um vadio de si mesmo.