Tchau, Porto Alegre!

carreira, Pessoal

De Praça para Praça (da Alfândega para a Saldanha Marinho). Para a alegria dos concorrentes e tristeza de alguns clientes me despeço de Porto Alegre. A Capital do Gaúchos serviu de morada por mais de 28 meses e neste período desempenhei minhas atividades na maior agência bancária da América Latina. No segmento Afinidade do Banrisul da Agência Central, o desafio de migrar para a “selva grande de pedra” somou-se ao desafio de desbravar as peculiaridades do Alta Renda. A envergadura do cargo exigiu (e exige) muito estudo, dedicação e esforço.

O verdadeiro soldado é forjado no fogo. Na vida, assim como na guerra, muitas vezes não escolhemos companheiros de trincheira, mas os competentes lutam pelas mesmas missões em qualquer batalha. Este foi o espírito que permeou a Praça da Alfândega.

Viver na Capital foi instigante, desafiador e cômico. Passagens vividas, relembradas, são ainda mais engraçadas recontadas hoje. Momentos de reflexão e raiva se entrelaçavam criando uma casca forte. Poderia aqui descrever várias cenas, mas, vou deixar para rirmos e aprendermos juntos em outros momentos.

No meu blog lançarei as histórias do atentado a faca, do Serginho Moá no Apartamento, do cego numa noite gelada, do açougueiro da rua do arvoredo, quizilas do trabalho, jantares dos Deuses, cabeçada custosa no peruano, entre outras.

A experiência de trabalhar com atletas profissionais do Sport Club Internacional foi com certeza a mais marcante e enriquecedora. Neste período, além de bons negócios, muitas memórias foram criadas.

Além disso, realizar crédito rural em um prédio encravado no centro da cidade foi uma experiência profissional recompensadora. Agora, migramos para o interior novamente, e mais uma vez, na linguagem nativa, a “Agência Central”, mas a de Santa Maria (Agência Santa Maria Afinidade).

Em Porto Alegre foi possível compreender melhor a ideia da simplicidade, superar os limites e aguentar forte a solidão. Agora, de volta a Região Central, é uma nova reconstrução de aprendizados.

Citar nomes trará esquecimentos, mas sou grato a cidade, as pessoas e aos negócios realizados que me tornaram grande.

Estamos em guerra, mas não estamos lutando

Pessoal, Política, Sociedade

Em primeiro lugar não vivemos uma sociedade que não está preparada para enfrentar dificuldade, tão pouco preparada para momentos de austeridade econômica. As pessoas não têm a mania e não tem o hábito e tão pouco a inteligência para guardar dinheiro. Além disso, as pessoas não têm Inteligência emocional para compreender o isolamento e a falta de comunicação humana. O mundo digital não supre na totalidade a necessidade do convívio social real. De fato, vivemos um momento em que se percebe a importância de ter as pessoas que se gostam ao seu redor. O encapsulamento é algo previsto há algum tempo. Porém, é um estágio anterior ao isolamento. E este, está fazendo mal.

O ambiente de trabalho que não é salutar, que não se preocupa com a higiene básica e não se preocupa com a saúde mental está fadado a ficar sem os melhores profissionais. Maslow nunca esteve tão correto em suas afirmações.

Na guerra os melhores soldados não estão no front, eles estão atrás da primeira linha. As empresas que optam por deixarem os melhores funcionários no pior momento sangram a qualidade e a oportunidade de ter as melhores competências nos melhores locais. Empresas obsoletas ainda adotam a ignorante política de se livrar dos medianos promovendo-os. Ninguém quer perder os melhores trabalhadores, aqueles que mais geram resultados. O contraponto é que nem sempre o melhor vendedor é o melhor gerente. Mas, isto é tema para outro post.

 Enquanto isso as pessoas que estão debilitados seguem seu Home Office as pessoas que têm sem emprego e o seu soldo garantindo seguem com as hoje a do fica em casa. 

Nunca houve tanta “falação” ou tanto problema criado por uma doença que é contagiosa, mas não morre quem respira o ar no campo aberto, ou seja, não vai ser respirando o ar puro que vamos morrer. Único segmento que acredito ser passível de penalização é o de eventos e algo que há aglomerações. Isso inclui os eventos religiosos isso deveria ser proibido. Porém, o comércio deveria funcionar e o transporte público com medidas altamente pensadas para evitar aglomerar empurra-empurra e principalmente que as pessoas não toquem nas partes comuns ou evitem tocar e se tocarem. E que haja uma equipe de desinfecção a cada 30 minutos no transporte coletivo e em pontos estratégicos. Atitudes como essa entre outras poderiam nos ter feito deixar o comércio aberto as pessoas circulando gastando consumindo porque o brasileiro não sabe poupar e essa poupança não surtirá efeito pós pandemia.

Uma vez que muitos ainda persistem com compras desenfreadas de itens e equipamentos que não agregam valor ao acumular por acumular.

A reflexão que fica aqui é que nós deveríamos não ter medo dessa gripe e que não deveríamos ter parado tão cedo em março de 2020.

O covid chegou com muita força e em locais pontuais. Os hospitais de campanha montados e desmontados sem ou com pouco uso. Quanto dinheiro jogado fora!

O comércio e a vida deveriam seguir normal com alto cuidado e sempre muita higiene, sem aglomerar, sem eventos, e com aula. Sim, aula. Muitas escolas têm muitos espaços ociosos e poderiam sim seguir com maior distanciamento.

A conta financeira do covid virá no futuro e será muito pesada. Tomamos decisões erradas no passado, e deixamos pessoas que não deveriam tomar decisões tomaram decisões.

Nós iremos pagar o preço disso tudo na próxima geração. O alto endividamento público e as pessoas estão paranoicas terão um impacto péssimo na sociedade. E os “Geração 2000” sem vontade de trabalhar. 

Vida importam. Mas, estamos em guerra. E a conta é onde irá morrer menos no menor custo.

Sujar a carteira: crise a frente

Pessoal, Sociedade

Em primeiro lugar acredito que não controlar os custos e despesas passará de mal a pior nesta reta final de 2020. Buscar ampliar negócios para auferir receitas não será fácil.

Percebo que pela inanição das pessoas, o medo está incrustado na rotina da população. E este medo paralisante está definhando as relações pessoais e a economia. Contato com humanos é essencial. É químico. É natural.

Assim, neste momento de demissões em massa, compulsórias e oportunistas, nada melhor do que aprender com este momento e tirar proveito. Vários cursos online (de formação básica, média, técnica e superior) estão com promoções e condições de pagamento muito favoráveis. Inclusive cursos de línguas estrangeiras!

Prevendo que após os recursos do governo cessarem ou diminuírem a ponto de não sustentar o pequeno comércio, o desemprego e a crise econômica pode acentuar. É previsível que com um governo gastando demais, superando todos os limites da normalidade e buscando arrecadar mais para gastar ainda mais a conta futura deste rombo será ainda mais salgada. E isto, se não bem administrado, pode desencadear uma série de outros problemas econômicos. E no médio prazo poderemos ter o efeito chicote da crise atual.

A rotatividade nos próximos meses será intensa nos RH´s. É necessário ter paciência e cabeça no lugar para seguir em frente. Haverá sempre lugar para as pessoas preparadas e capacitadas. Aproveite este momento para estudar e se qualificar. Desenvolver a mente é importante, orar e meditar torna-se essencial.

Possuir diversas marcações na carteira neste momento não será difícil de explicar, porém, manter um trabalho, não rodar neste momento será um grande diferencial.

Mente tranquila vende melhor.

carreira, Geral, Pessoal

Em primeiro lugar, em 2019 investi meu tempo e dinheiro para qualificação profissional. Conclui 3 MBA´s que estavam engavetados e realizei uma certificação profissional. Em 2020 será o ano que me dedicarei para aprender inglês (com ajuda do Mairo Vergara) e elevar meu nível de condicionamento físico. Para isto, estou focado em treinar e me alimentar adequadamente. Para treinar utilizo treinos compactos, constantes, e um acompanhamento com nutricionista. 

Além disso, acordar as 5 horas da manhã para exercícios, desenvolvimento e oração tem melhorado meu desempenho ao longo do dia. A estratégia do Milagre da Manhã de Hal Erold de fato tem muito sentido e gera resultados maravilhosos. Desde que, tu aproveites este tempo da manhã para algo produtivo. Afinal, desenvolver uma mente tranquila, gera resultados melhores: Mente tranquila vende melhor.

Este mantra nunca foi tão presente como agora. Estou vivendo e podendo comprar que isto é real. Pense nisto: Mente tranquila vende melhor. Mantenha uma vida equilibrada em todos os aspectos. Zele pela saúde, família, bem-estar social, aproveitar as coisas da vida e as pessoas que tu gostas. Com certeza este equilíbrio fará fluir bons pensamentos e energias positivas. E, quando o ciclo virtuoso se instala o desenvolvimento é exponencial.

E os resultados das tuas vendas (entenda vendas aqui como tudo aquilo que é gerado pelo teu trabalho) serão, com certeza, reconhecidos e sustentáveis ao longe do tempo. Teus colegas de trabalho irão perceber ar de trabalho e resultados, teus clientes não se sentirão pressionados, teu chefe te cobrará menos, teu líder te apoiará mais e a empresa, provavelmente, te pagará mais. 

5 am

carreira, Pessoal

Em primeiro lugar, resido atualmente em Porto Alegre. A vida está muito corrida e eletrizante. Recentemente concluí meus objetivos de pós graduação. Terminei 3 pós que estavam travadas. Conquistei mais uma certificação bancária. E, emagreci. Foram grandes avanços para uma mudança do interior para Capital.

A leitura segue me acompanhando. E recentemente li O Milagre da Manhã de Hal Elrod. Meus pais sempre me falaram: Deus ajuda quem cedo madruga. Sempre gostei de acordar cedo e resolver as coisas. Nunca tive dificuldade de acordar cedo.

Após ler este livro tomei a iniciativa de acordar as 5 da manhã para avançar em temas importantes e resolver concluir o meu inglês (iniciar novamente). E, a noite melhorar meu condicionamento físico. Planos para 2020.

E, falando em 2020, quais são os teus planos?

Quando o teu melhor não dá em nada, o que fazer?

carreira, Pessoal, RH

Em primeiro lugar há quanto tempo este pensamento – “faço meu melhor para nada” – está no teu radar mental?

Se está a há mais de 3 anos é um problema. 3 anos é um período de maturação. Se este pensamento ronda há mais de 3 anos há um grande problema na tua carreira.

Os pensamentos abaixo são muito comuns na mente de quem está incomodado:

  • Produzo muito mais do que ganho;
  • Ninguém observa meu trabalho, tampouco é valorizado;
  • O meu trabalho é criticado por todo mundo;
  • Me deparo muitas vezes com tarefas que não tenho conhecimento para fazer.

Saber quando há necessidade de mudar, evoluir e sair do status quo atual é de suma importância para busca dos sonhos. E buscar os sonhos é experimentar o teu melhor.

Buscar teus sonhos é elevar teu conhecimento, utilizar toda a tua bagagem e experimentar os teus limites. O prazer está nos limites. O melhor evidencia-se no limite e na sua superação. E a sensação de que o teu melhor não dá em nada – ou não mais do que um mero tapa nas costas, frusta.

Portante, vale a pena realizar sessões de coaching e buscar qualificação. Quando o cavalo encilhado passar, não se pode perder a oportunidade.

Sugestão: livros para devorar

Administração, carreira, Pessoal

Em primeiro lugar, tenho hábito de ler sempre. 10 páginas por dia é o mínimo. É pouco, mas mesmo assim, se seguir nesse ritmo, serão 3650 paginas ano. E isso é algo em torno de 10 livros no ano. A média do brasileiro são de pouco mais de 2 livros por ano, segundo uma pesquisa de 2018.

Portanto, separei abaixo alguns livros que li este ano e vale a pena investir tempo e dinheiro na compra:

  • Conversas com gestores de ações brasileiros. Luciana Seabra. Empirucus Book.

Este livro abre a mente sobre o mercado de ações no Brasil. Ouvir de 18 gestores de Fundos independentes suas estratégicas, é mergulhar no mundo dos altos negócios e compreender como pequenos movimentos administrativos, refletem no mundo virtual da bolsa. Ou, até mesmo compreender o porque que nossos juros são tão elevados e porque a bolsa ainda é pequena no Brasil.

  • Scrum. A arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo. Jeff Sutherland e JJ Sutherland. Sextante.

O Scrum é uma verdadeira ferramenta de trabalho. Confesso, que dos últimos anos, fazia horas que não lia algo tão prático e útil. Vale visualizar como alcançar altos resultados com tão poucos recursos. A aplicabilidade é transformadora. É possível aplicar em praticamente em qualquer negócio: Todos devem entregar resultado para alguém.

O Sim é atingível, basta cumprir algumas regrinhas básicas. Regras estas que Roger Fischer e Cia elucidam muito bem no livro. Separar pessoas do problema, e encontrar a Batna das negociações são os grandes pulos do gato. E, não negociar posições. Estar entrincheirado só leva a morte dos dois lados.

E para fechar esta lista, o livro que mostra como é possível vender qualquer coisa a qualquer pessoa. Basta: 1. Confiança na empresa; 2. No vendedor; 3. No produto. Simples não é? Leia e confira!

No nome dos livros há um link para a compra. Boa leitura.