Carreira Sapiens: Botafogo no G4

Administração, carreira, RH

A quarentena tem apenas uma coisa que me agrada: posso passar muito mais tempo lendo do que normalmente faria. Nesses dias, resolvi retomar Sapiens, do Yuval Noah Harari. Confesso que dá primeira vez que iniciei a leitura, fiz de forma displicente. Agora, levei muito mais tempo que o normal em cada página, tentando não deixar passar nenhum detalhe da história que o autor nos apresenta em minúcias e de forma singular. Logo nas primeiras 50 páginas algo me chamou muito a atenção, logo explicarei.
É engraçado como o isolamento nos coloca na ânsia de voltar ao ritmo normal, me tornei o tipo de pessoa que não quer ficar mais de uma semana longe de suas atribuições. Falando um pouco sobre mim, e estendendo também ao Junior, depois de um ano em Porto Alegre, já não somos os mesmo que chegaram. A cada dia no trabalho é um desafio novo, passou o receio de não se adaptar à função, e agora somos tomados por um sentimento quase que paternal em relação a nossas carteiras (carteiras são o grupo de clientes que estão sob nossa responsabilidade). Pois bem, ainda no final do ano passado fomos pré-aprovados para o próximo cargo de gerência dentro do nosso plano de carreira. Em uma perspectiva de promoção e mudança nos próximos anos, é natural nutrir ansiedade pelo que há por vir, diria até que é instintivo. Querendo o quanto antes passar à próxima etapa.
Eis que volto a falar do livro: logo no início, o autor nos mostra que o Homo Sapiens a partir do domínio do fogo passou do meio da pirâmide alimentar para a supremacia do topo (é como se do nada o Botafogo liderasse o campeonato brasileiro). Até ontem o homem era um predador mediano, não tinha condições de disputar as melhores presas nem de enfrentar os grandes predadores. Em pouco tempo, se viu no topo. Era o líder, mas sem preparo para a função. A evolução preparou todos os grandes predadores para evoluir na pirâmide de forma gradativa e equilibrada, desde os leões até os tubarões, o ecossistema se adaptou para que seus líderes não os desequilibrassem. O Homem foi a única exceção. A partir de então, acredita-se que a falta de confiança e preparação para exercer seu papel na natureza desenvolveu no sapiens um sentimento intrínseco de insegurança, e como qualquer animal, quando se sente ameaçado, ataca. O perene sentimento de inferioridade frente ao mundo que o cerca, tornou-o cruel e destrutivo com a natureza, revelando-se o maior genocida e explorador do planeta. Agora já é parte do nosso instinto, chegar ao lugar mais alto de forma precoce teve suas consequências.
Como Yuval nos mostra, desde os primórdios é natural querer acelerar processos e pular etapas para chegar ao topo, em muitas vezes sem o preparo necessário para isso. Tais circunstância me fazem pensar e rever minha ânsia e ambição por evoluir na carreira. Viver o presente e aprender com ele é fundamental. O preço de pular etapas pode ser muito mais caro que o preço da evolução natural. Por mais que desejemos o topo pirâmide, é importante contribuir e aprender com o presente. Uma etapa por vez. Etapa por etapa.

Com a colaboração de Nathan Santos da Costa

E a sua opnião?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s