Carreira e finanças [3]

carreira, Finanças

Em primeiro lugar após muitos anos de tentativas, compreendo e consigo agora inverter o jogo: fazer o dinheiro trabalhar a meu favor.

Recentemente li alguns artigos que conceituam os millennials (uma das últimas gerações registradas e estudadas pelo mundo teórico/acadêmico que compreende quem nasceu nos anos 2000*) e percebi um padrão no entendimento teórico desta geração de como lidam com dinheiro e bens, e o consumo de modo geral. Bem como, o modo como encaram o trabalho. Com algumas exceções, a geração acredita: tudo está fácil, o trabalho não pode ser árduo, comprar depois pagar (e não guardar para depois possuir), experiências > estabilidade, carpe diem.

Dados que corroboram para isso é na mudança do padrão de consumo destes jovens, como o baixo interesse por bens duráveis, o alto nível de endividamento desta juventude e gastos desenfreados em viver. A maior parte dos jovens é aterrorizada pela maior propensão ao desemprego. Sem experiência, e com interesse maior no whatsapp (muitas vezes) as empresas escolhem os mais velhos.

Nasci no ano de 90. Confesso, que apenas aos 28 anos obtive êxito e virei o jogo financeiro da minha conta bancária. Está mais azul do que vermelho. Eu parecia um millennials.

Quando inverti a lógica da qual imagino que para sobrar mais, preciso ganhar mais. Assim, corri nesta linha. Focar em apenas cortar gastos é míope, entristecedor e muitas vezes não atinge o efeito necessário. Assim, busquei oportunidade para ganhar mais e liguei o “modo econômico”. Mantive apenas gastos (alguns até ampliei) que geram e irão gerar algum retorno:

  1. Saúde (Acompanhamento com nutricionista (novo gasto); academia (seguiu); plano de saúde (seguiu); seguro de vida (seguiu));
  2. Bem estar (Reduzi gastos com comidas em locais bacanas; mantive idas ao cinema; sigo comprando livros (no mesmo ritmo); reduzi – até zerei – gastos com coisas que gostava de comprar;
  3. Alimentação (Faço comida em casa e levo ao trabalho, eventualmente almoço em restaurante, não compro mais besteiras para comer, reduzi drasticamente o consumo de cervejas e afins);
  4. Vestuário e higiene (Parei de gastar de modo geral, não compro! Apenas o estritamente necessário);
  5. Procuro promoções e procuro comprar coisas boas que duram (guardo para comprar ou compro a vista, ou ainda, em último caso em parcelamentos curtos);
  6. Conhecimento (Ingressei em outra Pós-Graduação, assinei periódicos e jornais de meu interesse, e estou buscando ler sobre minha área de atuação).

Esse modo econômico tem me levado a sobrar recursos para poupar (maior parte dos recursos vão para renda fixa) e uma parte menor para investimentos em renda variável. Não é expressivo, mas os valores que auferi já me animam para seguir guardando. Para seguir minguando nos gastos desnecessários, pedindo descontos, não comprando onde for mal atendido ou o produto não tem qualidade.

Portanto, compreendo que cada vez mais carreiras e finanças andam lado a lado. E quem sabe tu não pode buscar ganhar mais e ligar o teu modo econômico. Boa sorte!

*Alguns argumentam ainda que estes poderiam ter nascido nos anos 90. Porém, percebe uma melhor conceituação dos que nasceram nos anos 2000.

E a sua opnião?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s