Não é brinquedo não!

Administração, Intercâmbio

Em primeiro lugar, a Argentina pode ter seus atrasos tecnológicos e certa antiguidade do aparato de administração pública, mas, sua organização quanto nação e quanto República são exemplos para o nosso querido Brasil. Infelizmente a corrupção atormenta o desenvolvimento dos dois lados.

Estou vivendo com mais 40 intercambistas de todo mundo e de modo geral todos sentem diferença no ensino, e isso é de todos os lugares do mundo. Alta carga de leitura, muitos trabalhos e muito discurso do professor em sala de aula. Além disso,  a estrutura da gestão administrativa e da gestão acadêmica da Argentina é um exemplo e é de nível europeu (segundo relatos de espanhóis e franceses).

Ao fim do intercâmbio espero ter um artigo pronto analisando modelo de ensino de Brasil e Argentina. Fico feliz, pois estou colaborando com pesquisas entre UFSM e UNL que irão me dar uma grande visão de como funciona melhor a estrutura de ensino.

Por fim, os que pensavam que a coisa aqui era moleza ou que era barbada estão errando o furo. O buraco é bem mais embaixo do que se imaginava.

Um comentário sobre “Não é brinquedo não!

  1. Muito bem meu caro Junior de Mello, venho me manifestar favoravelmente a esse seu comentário. Pelo que entendi, você esta falando dos modelos de ensino de Brasil e Argentina. Seu choque cultural é algo interessante para você ver com outros olhos nosso país, a fim de melhorá-lo. Certamente você terá notaveis diferenças entre o modelo de ensino dos dois Países.
    O fato é que o Brasil, ganhou fama de ser um País continental e com várias raças. Isso, entretanto, atrasa nosso ensino a meu modo de ver. Para exemplificar, um modelo ensino que serve para um estado brasileiro pode nao servir para outro. A nossa cultura é diferenciada de região para região, e por isso talvez países como a argentina, com uma cultura mais particular/comum a todos torna mais facil a implantação de um modelo de ensino que contemple todo o país com eficiência.
    Na verdade, todos os brasileiros são brasileiros. Porém um gaucho não quer ser nordestino e vice versa. Isso explica a “diferenciação”em universidades públicas federais que se tem, por exemplo. O modo como é tratado um aluno que ingressa na UFSM sendo ele do Acre. O modo como um gaucho ingressa em uma universidade Baiana…

    Curtir

Deixe uma resposta para Aliízio Marzari Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s